Show simple item record

dc.contributor.authorMaria Cardeira da Silva*
dc.date.accessioned2021-02-12T06:50:46Z
dc.date.available2021-02-12T06:50:46Z
dc.date.issued1999*
dc.date.submitted2019-12-06 13:15:31*
dc.identifier39977*
dc.identifier.urihttps://directory.doabooks.org/handle/20.500.12854/61487
dc.description.abstractAtravés da análise do dia-a-dia das mulheres de um bairro popular numa cidade marroquina, pretende-se demonstrar como o Islão é constantemente reinterpretado e apropriado, juntamente com outros elementos culturais, na reconstrução de uma identidade feminina urdida em jogos sociais intensos - contrariando-se, assim, os habituais estereótipos da "mulher muçulmana reclusa". O argumento principal é o de que só através da observação dos contextos domésticos e informais, nos quais as mulheres tecem as suas relações sociais, é possível aceder as noções de pessoa, self e comunidade e compreender os processos pelos quais os papéis religiosos e de género são reinventados através de uma bricolage que recicla tradição e modernidade. Este argumento e sustentado etnograficamente por uma descrição do ritmo anual da vida doméstica e do bairro, bem como pelo acompanhamento de celebrações religiosas e nacionais. O levamento etnográfico estende-se dos ritos a outras performances comunicativas (como as matinées em torno da televisão e do vídeo), das muitas outras ocasiões e formas de sociabilidade (visitas, actividades quotidianas, pequenas trocas e empréstimos, participação e papéis dos parentes, amigos e vizinhos) a observância do equilíbrio delicado da decência, religiosidade e honra adequadas a cada momenta social e temporal. Este itinerário etnográfico pretende demonstrar coma as noções de pessoa e comunidade são estabilizadas e mantidas pela repetição quotidiana de gestos, cenas e fórmulas, ao mesmo tempo que os seus limites são constantemente actualizados em cada encontro com amigos, vizinhos, parentes ou antropólogos. Finalmente, argumenta-se que existem no Islão dispositivos compatíveis com a modernidade, no que respeita ao corpo e ao self entendidos coma projectos individuais e racionais, ao mesmo tempo que se demonstra coma o "regateamento da realidade", num contexto de pobreza e poupança simbólica, reinscreve as referências modernizadoras num idioma de mobilidade social. O recurso a comparações fora do contexto marroquino imediato permite situar este trabalho no âmbito mais alargado dos estudos interpretativos urbanos e sobre a globalização.*
dc.languagePortuguese*
dc.subjectH1-99*
dc.subject.otherIslam*
dc.subject.otherMorocco*
dc.subject.othermodernity*
dc.subject.othergenre*
dc.subject.othertradition*
dc.subject.othersocial identity*
dc.subject.otherethnography*
dc.titleUm Islão Prático*
dc.typebook
oapen.identifier.doi10.4000/books.etnograficapress.1146*
oapen.relation.isPublishedBye53dd581-5056-4059-8a0c-2f959e3151fe*
oapen.relation.isbn9791036516283*


Files in this item

FilesSizeFormatView

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record